Publicado em: 11 Agosto, 2020

Proteção solar infantil: como escolher e quando usar

O sol faz parte da nossa vida. É fonte de calor, gerador de bem-estar e regulador de ritmos biológicos. Para além disso, é essencial à síntese de vitamina D. Os mais pequenos podem (e devem) desfrutar de tempo de qualidade à beira-mar, desde que a fotoproteção não seja esquecida.

FOTOPROTEÇÃO

A fotoproteção é crucial para prevenir ou reduzir os possíveis efeitos indesejados associados à exposição aos raios UV. Consiste na aplicação de protetor solar e no cumprimento das seguintes indicações:

  • Procurar sombra e realizar atividades ao ar livre nos horários em que o índice de raios UV é mais baixo, o que normalmente ocorre antes das 11h e depois das 16h.
  • Usar roupas de proteção, como roupas de mangas compridas, calças e roupas de banho, com tecido de proteção UV.
  • Usar óculos de sol com proteção UV e chapéus de abas largas.
  • Manter os lactentes com menos de 6 meses fora da luz solar direta.
  • Reforçar a ingestão de água.
  • Levar o bebé para casa se estiver agitado, a chorar excessivamente ou apresentar vermelhidão na pele exposta.
  • Aumentar progressivamente o tempo de exposição solar ao longo dos dias.
  • Aplicar cremes hidratantes da pele após a exposição ao sol.

Como escolher um protetor solar?

  • Proteção de amplo espectro (protege contra raios UVA e UVB).
  • Índice de proteção (SPF) alto/ muito alto (preferencialmente 50+).
  • Resistente à água.
  • Com filtros físicos ou minerais (dióxido de titânio, óxido de zinco ou avobenzona) até aos 2 anos. Os protetores minerais oferecem proteção de amplo espectro, são menos absorvidos e têm menor potencial de sensibilização. Tendem a ser mais espessos, mas garantem uma melhor proteção para a pele.
  • Dentro da data de validade. Se o protetor solar mudou de cor ou consistência deve ser substituído por um novo.

Como e quando usar?

  • Todos os dias, ao ar livre.
  • Aplicar em todas as partes do corpo expostas ao sol.
  • Aplicar 15 a 30 minutos antes da exposição ao sol.
  • No caso de crianças com pele atópica, o protetor solar deve ser aplicado 30 minutos depois da aplicação do creme hidratante habitual.
  • Reforçar a cada duas horas e e após a exposição à água (nadar ou suar), mesmo que sejam rotulados como resistentes à água.
  • Em lactentes com menos de 6 meses aplicar em pequenas áreas do corpo, como o rosto, se não houver roupas de proteção e sombra.
  • Para lactentes com mais de 6 meses aplicar em todas as áreas do corpo, com cuidado com os olhos.

Não esquecer que…

  • Os cuidados de proteção solar devem estar presentes não apenas na praia, mas também no desporto e nas brincadeiras ao ar livre.
  • O sol é um elemento benéfico mesmo para quem tem pele atópica.
  • As queimaduras solares podem ocorrer mesmo em dias nublados.  Até 80% dos raios UV do sol podem atravessar as nuvens.
  • Os raios UV são refletidos pela água, areia e neve.  Quando se brinca na água e quando se está molhado o sol também queima.
  • Apanhar 15 a 20 minutos de sol às horas saudáveis não é a mesma coisa que estar na praia horas seguidas.
  • Os bebés não conseguem dizer se estão muito quentes e não conseguem sair do sol sem a ajuda de um adulto. Além disso, dependem do adulto para vesti-los adequadamente e aplicar protetor solar.
  • As queimaduras solares durante a infância têm sido associadas a um maior risco de desenvolver cancro de pele.

Quando consultar um médico numa queimadura solar?

Quando tiver menos de um ano ou, no caso das crianças mais velhas, se ocorrerem bolhas, dor ou febre.

Fonte: Dra. Sandra Pereira – Pediatra – Equipa COGE

Artigos relacionados