Publicado em: 17 Maio, 2021

Hipertensão arterial em Portugal

hipertensão arterial

A Hipertensão arterial(HTA),é uma “doença silenciosa”, que na maioria dos casos só se diagnostica durante uma consulta de rotina. Somente metade dos doentes sabem que sofrem de hipertensão, e só metade destes recebe medicação. Destes, só cerca de metade tem a doença controlada. Cerca de 43% da população portuguesa é portadora de Hipertensão Arterial.

QUAIS OS MITOS SOBRE HIPERTENSÃO ARTERIAL?

A maioria das pessoas não têm sintomas da doença….é uma doença silenciosa, que na maioria dos casos só se deteta aquando uma consulta médica, ou quando já existem consequências, ou lesões terminais associadas à Hipertensão Arterial, tais como:

  • Enfarte do miocárdio.
  • Angina de peito.
  • AVC(acidente vascular cerebral).
  • Insuficiência cardíaca.
  • Oclusão de um grande vaso.
  • Insuficiência renal.
  • Lesões da retina.

Por vezes, os doentes apresentam sintomas relacionados com uma subida brusca da tensão arterial ,tais como:

  • Tonturas.
  • Vertigens.
  • Cefaleias.
  • Zumbidos.
  • Hemorragias espontâneas.

Assim, o diagnóstico da Hipertensão  Arterial ,é feito muitas vezes na realização de um check-up, quando se pedem exames pré-operatórios, ou quando são pedidos exames clínicos para a realização de um  seguro de vida. 

A PARTIR DE QUE VALORES SE PODE CONSIDERAR HIPERTENSÃO ARTERIAL?

As recomendações para a classificação da Hipertensão, estabelecem os seguintes valores:

  • Ótima: Abaixo de 120/80 mm Hg.
  • Normal:  Entre 120/80 mmHg e 120/84 mm Hg.
  • Normal Ata(pré-hipertensão):Entre 130/85 mmHg e 139/89 mmHg.

Acima dos valores mencionados acima, considera-se Hipertensão Arterial, com graus de gravidade crescente:

  • Grau 1(sistólica de 140 a 159 mm Hg, e diastólica de 90 a 99 mmHg).
  • Grau 2(sistólica de 160 a 179 mm Hg, e diastólica de 100 a 109 mmHg).
  • Grau 3(sistólica superior a 180 mm Hg, e diastólica superior a 110 mm Hg).

CAUSAS DE HIPERTENSÃO ARTERIAL:

Só cerca de 8% dos doentes têm causas identificáveis. A maioria dos doentes (cerca de 90%),têm HTA primária, essencial, ou sem causa detetável.

FACTORES NÃO MODIFICÁVEIS:

  • Sexo.
  • Idade.
  • Raça.

CAUSAS IDENTIFICÁVEIS:

  • Hiperaldosteronismo.
  • Feocromocitoma.
  • Doenças renais ou reno-vasculares.
  • Síndrome de Cushing.
  • Coartação da aorta.
  • Síndrome de apneia do sono.
  • Medicação(por exemplo-Anticoncecionais orais).

SÃO CONSIDERADOS FATORES DESENCADEANTES:

  • Sedentarismo.
  • Tabagismo.
  • Excesso de álcool.
  • Dislipidemia.
  • Consumo excessivo de sal.
  • Tabagismo.
  • Obesidade.

O estado de ansiedade pode contribuir para a subida da tensão arterial,mas por si só,não pode ser responsabilizado.

A repercussão da Hipertensão Arterial, manifesta-se  a nível do: SNC(sistema nervoso central),olhos, coração, rins, e demais órgãos.

TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL:

A primeira medida ,e seguramente a mais importante, é a mudança do estilo de vida:

  • Alterar os hábitos alimentares.
  • Reduzir o consumo de sal.
  • Reduzir o consumo de café.
  • Caminhar em passo rápido-1/2h por dia-5 dias /semana.
  • Reduzir o stress.

A Hipertensão Arterial é uma doença para toda a vida ,devendo ser monitorizada, e com ajustes de terapêutica, pelo Médico Assistente do doente.
A medicação com fármacos, deve ser administrada pelo Médico de Família, pelo médico de Medicina Interna. Só os casos de Hipertensão Arterial severa, devem ser encaminhados para outras especialidades.

Fonte: Dra. Filomena Tavares D’Almeida – Medicina Geral e Familiar Equipa COGE

Artigos relacionados