Publicado em: 10 Setembro, 2021

10 MITOS DA GRAVIDEZ

Mitos da gravidez

Não acredite em tudo o que lhe contam!

Ao longo da gravidez ocorrem muitas mudanças e surgem muitas dúvidas. Não acredite em todas as histórias, opiniões e mitos sobre a gravidez!

1- “A melhor altura para a grávida viajar de avião é no início da gestação.”

De acordo com a American College of Obstetrics and Ginecology, o período mais indicado para a grávida viajar é o segundo trimestre, fase em que o risco de aborto espontâneo ou de parto prematuro são menores.   No segundo trimestre de gravidez, a grávida geralmente sente-se bem e com mais energia, pois a sonolência e os enjoos diminuíram e o volume da barriga ainda lhe permite ter mobilidade.

2 – “Azia durante a gravidez significa que o meu bebé será cabeludo”

Ter azia em qualquer momento da gravidez não significa que o bebé vá nascer com muito cabelo. A azia é causada pelo refluxo gástrico do estômago que pode agravar-se durante a gravidez devido à pressão exercida sobre toda a área abdominal.

3 – “Sexo durante a gravidez pode fazer mal ou magoar o bebé.”

Se não houver qualquer contra-indicação médica, pode e deve manter a sua atividade sexual. Geralmente, o pai tem receio de magoar o bebé durante a relação sexual.  O sexo não magoa o bebé, já que este está bem protegido no útero, pela bolsa e pelo líquido amniótico.

Porém, existem situações em que poderá ser desaconselhada a atividade sexual, como no caso de hemorragia vaginal ou ameaça de parto pré-termo. Na fase final da gravidez, as relações sexuais podem até estimular o trabalho de parto.

4 – “Devo comer por dois.”

Durante a gravidez é natural que sinta mais fome mas não deve comer por dois. A alimentação na gravidez deve ser responsável, saudável e equilibrada para que se garanta as necessidades nutricionais e energéticas da mãe e o normal desenvolvimento do bebé.

O controlo do peso e a qualidade dos alimentos influenciam a saúde da mãe e a do bebé, evitando o aparecimento de doenças na grávida como a Diabetes Gestacional.

5 – “Tenho muitos enjoos, é de certeza uma menina”

Os enjoos estão relacionados com níveis elevados da hormona Beta-HCG e com as alterações fisiológicas da gravidez no sistema digestivo. Nem todas as mulheres têm enjoos, o que se pensa que tenha a ver com a sensibilidade individual do organismo a esta hormona e não com o sexo do bebé.

6 – “Barriga empinada indica que vou ter um menino e barriga redonda uma menina.”

Não há qualquer evidência científica que permita relacionar a forma da barriga da grávida com o sexo do bebé. A forma e o tamanho da barriga varia de acordo com as características genéticas da mãe e a alimentação que faz na gravidez e não com o sexo do bebé.

7 – “A minha mãe teve os filhos por cesariana, eu não vou conseguir ter um parto normal.”

Se a sua mãe teve um ou mais filhos por cesariana não quer dizer que o mesmo vá acontecer consigo. Cada parto é um parto, mesmo para filhos da mesma mãe.

8 – “Grávida não deve fazer exercício físico”

A prática regular de exercício físico na gravidez melhora a condição física, favorece a circulação sanguínea, relaxa o corpo e a mente, aumenta a elasticidade muscular e ainda ajuda a combater a fadiga. Tudo isto será importante para o parto e para a recuperação no pós-parto.

Durante a gravidez são aconselhadas atividades de baixo impacto, como a natação, hidroginástica e caminhadas, desde que não haja contra-indicações.

9 – “Tenho as mamas pequenas, vou produzir menos leite”

Não há relação direta entre o tamanho da mama e a produção de leite pela mãe.

Se as glândulas mamárias estiverem bem desenvolvidas, a mãe terá o leite necessário para alimentar de forma satisfatória o seu bebé.

10 – “Beber muito leite significa que vai produzir mais leite.”

Beber leite durante a gravidez não tem implicações na quantidade de leite produzido após o nascimento do bebé.

Fonte: Enfermeira Parteira Liliana Correia – Equipa COGE

Artigos relacionados